5 Razões Pelas Quais As Pessoas Têm Baixa Autoconfiança

A coisa mais importante a saber sobre baixa autoconfiança é que a culpa não é sua.

Os fatores que contribuem para a baixa autoconfiança combinam e interagem de maneira diferente para cada pessoa.

Seus genes, histórico cultural, experiências de infância e outras circunstâncias da vida desempenham um papel.

Mas não desanime – embora não possamos mudar as experiências do passado que nos moldaram, há muito o que fazer para alterar nossos pensamentos e expectativas para ganhar mais confiança.

Genes E Temperamento

Parte do que molda nossa autoconfiança é incorporada ao cérebro desde o nascimento.

Menciono esses fatores não para sobrecarregá-lo, mas para que você saiba que não deve se culpar por sua autoimagem.

Estudos mostraram que nossa composição genética afeta a quantidade de certas reações químicas no nosso cérebro que aumentam a confiança que nosso cérebro pode acessar.

A serotonina, um neurotransmissor associado à felicidade, e a ocitocina, o “hormônio do abraço”, podem ser inibidas por certas variações genéticas.

Algo entre 25 a 50% dos traços de personalidade ligados à confiança podem ser herdados.

Alguns aspectos do nosso comportamento também decorrem do nosso temperamento.

Se você é naturalmente mais hesitante e vigilante, especialmente em circunstâncias desconhecidas, pode ter uma tendência chamada “inibição comportamental”.

Quando você se depara com uma situação, você para e verifica se tudo parece do jeito que você esperava que fosse.

Se algo parecer errado, é provável que você se afaste da situação.

A inibição comportamental não é de todo modo ruim.

Precisamos de algumas pessoas no mundo que não pulem impulsivamente em todas as situações.

Se você é uma pessoa cautelosa e reservada, a autoconfiança pode ter escapado de você.

Porém, depois de entender a si mesmo, você poderá trabalhar com seu temperamento e não combatê-lo.

Veja também: Liberando-se Do Sofrimento Da Baixa Autoestima

Experiências De Vida

Várias experiências individuais podem levar a sentir-se completamente inseguro de si mesmo ou até inútil.

Aqui, vou discutir alguns.

Trauma.

O abuso físico, sexual e emocional pode afetar significativamente nossos sentimentos de autoestima.

Se você se reproduzir repetindo memórias de abuso ou sentindo-se atormentado ou envergonhado por suas experiências, considere procurar tratamento com um médico licenciado.

Estilo Parental.

A maneira como fomos tratados em nossa família de origem pode nos afetar muito depois da infância.

Por exemplo, se você teve um pai que constantemente o menosprezou, o comparou com os outros ou lhe disse que nunca seria nada, provavelmente você carrega essas mensagens hoje.

As lutas dos pais com a saúde mental e o abuso de substâncias também podem mudar seu relacionamento com o mundo.

Bullying, Assédio E Humilhação.

O bullying na infância pode deixar uma marca em sua confiança quando se trata de aparência, habilidades intelectuais e atléticas e outras áreas da sua vida.

Experiências humilhantes na vida adulta, incluindo assédio no local de trabalho ou um grupo de colegas que desrespeita ou humilha você, também podem deixá-lo menos disposto a falar por si mesmo ou a buscar metas ambiciosas.

Gênero, Raça E Orientação Sexual.

Dezenas de estudos mostram que as mulheres são socializadas para se preocupar mais com a forma como são percebidas e, portanto, correr menos riscos.

Os antecedentes raciais e culturais e a orientação sexual também podem fazer a diferença.

Se você foi alvo de discriminação, pode ter internalizado mensagens negativas e falsas sobre seu potencial e se você “pertence” a um grupo.

Veja também: 5 Fundamentos Para Ajudá-lo A Falar Com Mais Confiança

Desinformação

A falta de autoconfiança pode resultar do desconhecimento das “regras” do jogo da confiança.

Por exemplo, se achamos que precisamos nos sentir confiantes para agir com confiança, nos preparamos para o fracasso.

O perfeccionismo é outra forma de pensamento defeituoso que contribui para a baixa autoconfiança.

Se acreditamos que precisamos descobrir algo antes de agir, esses pensamentos podem nos impedir de fazer as coisas que valorizamos.

Mesmo aprendendo e entendendo o que é e o que é confiança é um grande passo para aumentá-la.

O Mundo À Nossa Volta

Muitas mensagens da mídia são projetadas para nos fazer sentir falta.

As empresas que desejam vender produtos para você geralmente começam fazendo você se sentir mal consigo mesmo, muitas vezes introduzindo um “problema” em seu corpo que você nunca perceberia de outra forma.

(O filme Garotas Malvadas distorceu esta ideia de maneira memorável: a personagem principal, nova na cultura americana de ensino médio depois de anos de estudo em casa na África, fica perplexa quando sua nova camarilha fica ao redor de um espelho se criticando.

“Minha linha do cabelo é tão estranha”, diz uma.

“Minhas unhas são péssimas!” proclama outra).

Agora que as redes sociais se tornaram onipresente, as mensagens chegaram mais perto de casa.

É fácil acreditar que todos ao seu redor têm o casamento perfeito, uma carreira de sonho e uma supermodelo que parece estar sempre no topo.

Mas lembre-se: o que as pessoas postam on-line é muito organizado e editado.

Todo mundo tem dias ruins, insegurança e imperfeições físicas.

As pessoas simplesmente não os exibem no Facebook!

 “Um dos motivos pelos quais lutamos com a insegurança: estamos comparando nossos bastidores aos destaques de todos os outros”.

– Steven Furtick

Ansiedade E Depressão

É comum que a ansiedade e a depressão andem de mãos dadas com problemas de autoconfiança.

Se você já foi diagnosticado com um transtorno de ansiedade ou depressão e está trabalhando com um terapeuta, isso é um sinal de que é corajoso da sua parte abordar seus obstáculos de insegurança, e criar confiança também o ajudará a diminuir a ansiedade e a depressão.

Questões A Considerar:

Quais dos fatores contribuintes descritos nesta seção são mais importantes para você?

Que experiências específicas em sua vida você acha que tiveram os maiores efeitos negativos em sua autoconfiança?

Sobre o Autor: André Coelho é Psicólogo e Escritor para o departamento de estresse e ansiedade do portal Auto Ajuda Em foco e faz parte do Auto Ajuda Em Foco desde 2012. André trabalhou tratando indivíduos com transtornos da ansiedade, fobias e estresse pós-traumático por mais de 6 anos.

0 comments… add one

Leave a Comment