Vivendo Uma Vida Sem Medo

O medo é uma experiência universal para praticamente todos nós.

Talvez haja algumas exceções a essa regra, como o Dalai Lama, mas para o resto de nós, isso faz parte da vida.

O objetivo de viver sem medo pode ser desejável, mas um tanto ingênuo.

O que devemos almejar é reduzir o medo ao seu devido lugar.

A apreensão constante não deve ser um fardo que carregamos conosco, dia após dia – momento após momento.

Quando Uso A Palavra Sem Medo, Não Estou Propondo Uma Vida Sem Medo, Pois Isso Pode Ser Um Exagero.

Mas estou defendendo uma vida com menos medo.

Existem medos apropriados que são um sinal de alerta de que estamos em risco e há algo a que devemos prestar atenção.

Se a estrada em que você está dirigindo estiver sob forte chuva, tome cuidado, pois existe risco de aquaplanagem.

Mas você certamente não quer derrapar, então você diminui a velocidade.

Se você estiver com dores no peito, faz sentido procurar ajuda.

Se você notou que ganhou peso e não está se exercitando, em vez de se preocupar com sua saúde, faça algo a respeito.

Se você perceber que seu filho não está se desenvolvendo e sentir medo de que algo esteja errado, procure ajuda.

Veja também: Vivendo Sem/Com Medo: O Poder De Ser Um Otimista Racional

Você Pode Escolher Não Permitir Que O Medo O Consuma.

Existem alguns medos que não são expressos, mas são comuns.

Uma em cada três pessoas acabará sendo diagnosticada com câncer.

Muitas pessoas ficam apreensivas com isso?

Claro que sim.

Isso faz sentido, mas carregar uma sensação de pavor atrapalha sua maneira de viver bem.

Os medos variam muito, desde a apreensão por perder o emprego até não ter economias suficientes para se aposentar.

De não ser amado a ter seu parceiro (a) te deixando.

Desde pensar que os outros não gostam de você até se preocupar com o que você diz e como será julgado.

Mudando Sua Relação Com O Medo

Para aqueles que experimentam esses medos excessivos, existe uma saída.

Em vez de se concentrar no medo, observe sua relação com a preocupação.

Medo, dúvida e insegurança não são incomuns.

Mas quando você pega essas preocupações e as eleva ao centro de sua atenção, você está em apuros.

Você Precisa Mudar Seu Relacionamento Com O Medo.

O que quero dizer com esta declaração curiosa?

Algumas pessoas têm uma afinidade muito forte com o medo; eles realmente procuram por isso.

Seus pensamentos se habituam a procurar e se concentrar no que os aflige.

Assim, suas mentes desenvolvem uma fixação à medida que, paradoxalmente, procuram o que os causa desarmonia.

Quando nossos pensamentos se apegam perpetuamente ao medo, é como carregar um para-raios em uma tempestade.

O que procuramos, encontramos.

A ansiedade é a consequência da relação viciante de nossos pensamentos com o medo.

Veja também: Ajuda Para A Ansiedade: Enfrentar Seus Medos Vai Curar Seu Cérebro

O Medo Não Tem Controle Sobre Você, Mas Você Controla O Medo.

Quanto mais você resiste e tenta afastar o medo, maior ele se torna.

Pense nisso da seguinte maneira:

Aquilo A Que Resistimos Tornamos Mais Formidável.

Imagine estender os braços totalmente à sua frente enquanto tenta conter o medo.

A ironia é que na verdade encorajamos o medo tentando afastá-lo.

O medo fica mais forte quando você resiste.

Mudar a sua relação com o medo significa dar boas-vindas a ele.

Diga a tudo o que o está alarmando: “Entre e deixe-me dar uma olhada em você”.

Quando fazemos isso, o medo tende a se dissipar.

O medo não tem controle sobre você, mas você controla o medo.

Afrouxe o aperto.

Quando você consegue ver seu relacionamento com o medo, não precisa se tornar o medo.  

Sobre o Autor: André Coelho é Psicólogo e Escritor para o departamento de estresse e ansiedade do portal Auto Ajuda Em foco e faz parte do Auto Ajuda Em Foco desde 2012. André trabalhou tratando indivíduos com transtornos da ansiedade, fobias e estresse pós-traumático por mais de 6 anos.

0 comments… add one

Leave a Comment