Esse Relacionamento Pode Ser Salvo? Meu Parceiro Tem Transtorno De Personalidade Borderline

O Que É Transtorno De Personalidade Borderline?

Então você se envolveu romanticamente com alguém que era emocionante de ficar junto e tão imprevisível às vezes, mas que tem um coração de ouro.

O relacionamento teve dificuldades, mas, de alguma forma, descobrir que seu parceiro foi diagnosticado com um distúrbio psicológico é mais um alívio do que uma preocupação… porque agora você entende por que ele/ela continua agindo dessa maneira.

Em outras palavras – não é você, é ele!

O transtorno de personalidade borderline (TPB), também chamado de transtorno de personalidade limítrofe, é uma condição psicológica grave caracterizada por humores, comportamentos e relacionamentos instáveis.

Afeta a percepção de uma pessoa sobre si mesma, sua capacidade de se relacionar com os outros e seu comportamento.

Pessoas com TPB normalmente se veem como más ou más.

Por mais estranho que pareça, alguns sentem como se não existissem.

Essa autoimagem transitória pode levar a repetidas mudanças de emprego, amigos, objetivos e moral.

O Que Causa O Transtorno De Personalidade Borderline?

É comumente ensinado que personalidades são formadas durante a infância.

Os fatores que influenciam o seu desenvolvimento são genéticos e ambientais, ou seja, como você foi socializado enquanto crescia.

Alguns fatores que podem aumentar o risco de desenvolver transtorno de personalidade borderline incluem:

  • Predisposição hereditária.
  • A probabilidade de as pessoas desenvolverem esse distúrbio aumenta se um ou mais familiares próximos forem diagnosticados com ele.
  • Abuso infantil.
  • Pessoas que sofreram abuso sexual ou física durante a infância podem desenvolver TPB.
  • Negligência.
  • Privação severa, negligência e abandono durante a infância também podem aumentar a probabilidade de desenvolver TPB.

Alguém com TPB pode se sentir incompreendido, sozinho, vazio e sem esperança.

Eles podem experimentar auto ódio.

Curiosamente, eles também podem estar plenamente conscientes e descontentes com os danos emocionais causados ​​por seu comportamento destrutivo.

As áreas de sua vida mais comumente afetadas são relacionamentos, trabalho e/ou escola.

Autolesões, como cortes pelo corpo, são comuns e as taxas de suicídio entre as pessoas com TPB são muito altas.

Um Relacionamento Pode Sobreviver A Esse Diagnóstico?

Sim pode.

Esse diagnóstico está associado a muitas turbulências emocionais e não é fácil navegar em um relacionamento.

O nível de comprometimento e capacidade do outro parceiro no relacionamento de permanecer emocionalmente saudável é vital.

Os riscos emocionais que acompanham o relacionamento com alguém com TPB incluem a tendência natural de reagir a um ato de raiva ou de ser excessivamente protetora e eventualmente co-dependente.

Será importante ter avenidas adequadas de fuga/distração temporárias para permanecer aterrado.

É importante entender e aceitar que as pessoas com TPB são emocionalmente subdesenvolvidas e não possuem habilidades emocionais maduras – especialmente quando estressadas.

Se você está em um relacionamento com alguém com esse diagnóstico, é importante ser realista sobre quanto respeito, confiança, apoio, honestidade e responsabilidade consistentes você deve esperar razoavelmente no relacionamento.

É importante notar que mudar seu comportamento pode não resultar necessariamente em uma melhoria entre vocês.

TPB E Relacionamentos – Uma Dança Tóxica? O Papel Do Cuidador Emocional

O Dr. Kraft Goin, da Universidade do Sul da Califórnia, descreve personalidades limítrofes como necessitando de um parceiro constante, consistente e empático.

Essa pessoa deve conseguir ouvir e lidar com rajadas de intensa raiva e idealização, ao mesmo tempo em que estabelece limites com determinação e honestidade.

Algumas estratégias eficazes que você pode empregar como cuidador emocional capaz são:

  1. Tente manter juntos a rotina e a estrutura do seu estilo de vida
  2. Certifique-se de definir e manter limites entre você
  3. Seja empática e construa confiança da maneira mais consistente possível
  4. Não tolere abuso, ameaças ou ultimatos
  5. Quando as coisas ficarem difíceis, fique calma. Não fique na defensiva e não leve nada para o lado pessoal
  6. Permita-lhe enfrentar as consequências naturais de suas próprias ações
  7. Sempre procure intervenção profissional imediata se o suicídio for cogitado

Você Ama Alguém Com TPB? Algumas Palavras De Sabedoria

Se você está em um relacionamento com alguém com TPB, há considerações importantes que você deve ter em mente:

  1. É importante que você tente proteger a família financeira e emocionalmente, das possíveis repercussões negativas das ações de alguém com TPB.
  2. É importante ter um sistema de apoio emocional significativo para si mesma (por exemplo, amigos íntimos, família ou terapeuta). Essas pessoas carinhosas devem poder viajar com você através dos desafios de sua própria vida que você enfrentará.
  3. É importante entender as razões pelas quais você está em um relacionamento com alguém com TPB. Esse relacionamento é baseado em uma vida que evolui centrada e sempre compensando as artimanhas de uma pessoa destrutiva. Trabalhar sozinha com um terapeuta pode ajudá-la a descobrir essas motivações e solucionar quaisquer déficits emocionais em sua própria vida.

Apenas Acredite!

A coisa mais importante a lembrar é que alguém que foi diagnosticado com TPB pode ser reabilitado e viver uma vida normal saudável e contribuir positivamente para seus relacionamentos, mas isso exigirá um profundo compromisso pessoal, consistência, paciência e um pouco de fé!

Este conteúdo é preciso e fiel ao melhor conhecimento do autor e não se destina a substituir conselhos formais e individualizados de um profissional qualificado.

0 comments… add one

Leave a Comment