11 Dicas De Como Se Comportar No Primeiro Encontro Apoiadas Pela Ciência Para Ter Um Encontro Incrível

Parabéns, você criou coragem para convidar aquela pessoa especial para sair, e ela disse que sim.

Agora vem a parte muito difícil: planejar seu primeiro encontro.

Reuni 11 dicas excelentes para o primeiro encontro para você.

Eu sei que isso pode ser muito estressante.

Você quer planejar seu encontro para garantir que você se divirta e mostrar o quanto você está interessada.

Só que você também não quer parecer que você está se esforçando demais ou investindo muito em algo que pode não dar certo.

Para ajudar a acalmar seus nervos, fui pesquisar para descobrir o que na verdade é um excelente encontro.

Aqui está um conjunto detalhado de dicas para o primeiro encontro, de acordo com a ciência.

Escolha O Local Certo Para O Primeiro Encontro

O local que você escolher dá o tom para seu encontro.

A menos que você já saiba de quais tipos de atividades seu ficante gosta, é melhor escolher um lugar neutro e de baixa pressão onde você possa se concentrar em fazer com que vocês dois se conheçam e descobrir o quão bem vocês se conectam.

A última coisa que você quer fazer é ir a um bom restaurante e descobrir, antes mesmo da sua comida ser servida, que vocês dois não “clicam” e não vai funcionar.

Nesse cenário, você fica presa pelo resto da refeição de qualquer maneira.

Alguém pode dizer “Estranho”?

Moça, em vez de jantar e ir ao cinema, sugira experimentar um bar local ou uma cafeteria nova e moderna.

O ambiente casual serve como um espaço conveniente para uma conversa envolvente, sem a pressão de se vestir bem ou comprar uma refeição cara.

Se parecer desconfortável, você pode ir embora após o primeiro drink ou melhor, se você se deu bem, você tem a liberdade de continuar o encontro pelo tempo que vocês dois quiserem.

Além disso, a agitação das pessoas perto de você é suficiente para fazer com que os extrovertidos se sintam em casa – seus cérebros se dão bem em ambientes movimentados – sem sobrecarregar os introvertidos que preferem ambientes mais íntimos.

Prepare-se Para Uma Conversa Envolvente

Se você é quieta ou tem ansiedade social, a parte mais estressante de um primeiro encontro é tentar ter uma conversa envolvente com alguém que você mal conhece.

Felizmente, os psicólogos descobriram algumas chaves para conversas perfeitas sobre namoro.

Estudos mostram que se você está saindo para um encontro você deve esquecer as falas cafonas e optar por um início de conversa interessante.

As pessoas tendem a avaliar mal os elogios vazios e as tentativas fracassadas de humor.

Ele se sente mais atraído se você gerar assuntos de conversa que mostram que é curiosa, inteligente e culta.

Não sabe como fazer isso?

O professor de psicologia da Northwestern University, Dan mcadams, estudou o que é necessário para conhecer alguém de verdade.

Ele criou uma lista de trinta e seis perguntas que certamente vão te ajudar a entender as pessoas em um nível mais profundo.

Aqui estão três excelentes para usar em um primeiro encontro:

  1. Se pudesse escolher qualquer pessoa no mundo, quem você gostaria como convidada para jantar?
  2. Qual é a sua lembrança mais preciosa?
  3. O que constituiria um dia perfeito para você?

Sinta-se à vontade para alterar a frase dele para que pareçam naturais para você.

Além disso, a chave para uma conversa bem-sucedida em qualquer contexto – especialmente quando você está tentando “impressionar” alguém – é a reciprocidade.

Quando alguém compartilha algo sobre si mesmo ou faz uma pergunta a você sempre responda compartilhando uma história semelhante ou fazendo a mesma pergunta.

É educado e mantém a conversa igual.

Uma das coisas mais importantes a fazer antes de sair de casa e antes do início de um encontro é ter a mentalidade certa.

Apesar de você não poder controlar a química, compatibilidade ou atração, tenha certeza de que você esteja mentalmente preparada caso isso aconteça.

Você tem que pensar direito antes de um encontro.

Se entrarmos em um encontro sentindo-nos indignos ou derrotados, esses sentimentos vão durar a noite toda.

E não importa o quanto alguém goste de nós e até mesmo mostre a nós os sentimentos deles, não vai ser suficiente para romper nossas próprias dúvidas.

É por isso que é tão importante praticar a autocompaixão antes de um encontro (ou todos os dias, na verdade).

Se a simples menção de autocompaixão fez seus olhos revirarem, eu entendo.

É mais fácil falar do que fazer.

Às vezes parece muito tosco elogiar a si mesma.

Porém, está provado que praticar a autocompaixão pode ter um impacto tangível em nossas vidas.

Em um estudo sobre o papel da autocompaixão nos relacionamentos românticos, Kristin D. Neff e Natasha Beretvas explicam o que realmente é a autocompaixão:

”Neff (2003b) definiu a autocompaixão como consistindo em três componentes principais: bondade própria em vez de autojulgamento, humanidade comum em vez de isolamento, e atenção plena em vez de identificação excessiva”.

Neff e Beretvas então desvendam alguns detalhes interessantes sobre como isso pode funcionar:

”Em vez de focar no eu individual e separado, a compaixão envolve reconhecer que todos os humanos falham e cometem erros, que todas as experiências de vida são necessariamente falhas e imperfeitas.

Em vez de se sentir isolado dos outros quando as coisas correm mal, a autocompaixão na realidade facilita sentimentos de ligação com os outros em momentos de fracasso ou dificuldade”. (Neff, 2003a; Neff, Kirkpatrick e Grosso, 2007)

E para um dos componentes mais importantes, Neff e Beretvas explicam como praticar a autocompaixão:

”Autocompaixão implica uma resposta equilibrada e ‘consciente’ ao sofrimento que não suprime emoções difíceis nem rumina sobre elas (Tirch, 2010).

Em vez de fugir com a história dos problemas e deficiências de uma forma excessivamente exagerada, a autocompaixão envolve manter uma consciência equilibrada das experiências dolorosas da vida, reconhecendo-as tal como são no momento presente”.

Então, o que isso significa para você ao se preparar para um grande encontro?

Praticar a autocompaixão pode parar de ruminar sobre experiências anteriores de namoro que não deram certo.

Isso significa que você pode entender que às vezes todo mundo fica frustrado com namoros e relacionamentos.

Isso significa que qualquer medo ou receio que você sinta antes de um encontro não é um sinal de que algo está errado com você, mas sim uma consciência de um sentimento com o qual todos nós lidamos de vez em quando.

Na verdade, essas experiências são coisas que nos conectam.

Em outras palavras, às vezes namorar é difícil; às vezes namorar é doloroso.

Só que o aspecto realmente doloroso do namoro não são tanto as experiências que enfrentamos, mas a maneira como internalizamos as experiências.

Em vez de se culpar, se sentir indigna ou assumir uma visão pessimista do futuro, você pode se livrar de tudo e saber de uma coisa: namoros e relacionamentos ruins acontecem.

Só que quando o namoro e os relacionamentos dão certo, isso pode mudar a vida.

Abrace o medo.

Deixe-se esperar por algo excelente.

E prepare-se para apenas se divertir.

Veja também: O Que Conversar No Primeiro Encontro E 8 Iniciadores De Conversa

Aprenda Com O Passado

Se você está tendo dificuldade em superar experiências ruins de namoro, concentre-se no que você pode aprender com elas, em vez de insistir na negatividade.

Você se envolveu em comportamentos grossos ou injustos nos seus encontros?

Tem algo que você poderia ter feito para melhorar situações passadas?

Eu já suportei muitos encontros ruins e percebi que tinha o poder de criar experiências melhores.

Tenha certeza de que você está trazendo algo para a mesa (em vez de sempre esperar algo dos outros primeiro).

Dê uma olhada nas suas experiências anteriores de namoro.

O que elas poderiam indicar sobre você?

Lembre-se, este não é um exercício de autoderrota, é uma chance de fazer algumas pesquisas e adotar comportamentos que mostrem o que você tem de melhor – aquele que você espera que seu ficante veja.

Você tem o poder de dar o seu melhor, não importa o que aconteceu no passado!

Tudo que você precisa fazer é:

Veja também: 17 Regras De Etiqueta Do Primeiro Encontro Que Toda Mulher Deve Seguir (Nenhuma Delas Envolve Ser Adequada)

Dê Uma Olhada Mais Profunda Em Como Você Se Apresenta

Compreender a maneira como você se apresenta (e, portanto, como os outros podem perceber você) é importante antes e durante um encontro.

Na verdade, se você está se aventurando no namoro online, então a fase “antes” é extremamente importante.

Tem um programa de tv americano que é incrível, muito interessante. O estilista Clinton Kelly e o especialista em namoro Devyn Simone abordam isso todas as semanas no Love at First Swipe.

No programa, Kelly e Simone avaliam o perfil online de alguém e permitem que a pessoa entenda a vibe que está emitindo.

Na maioria das vezes, a pessoa cujo perfil está sendo traçado fica chocada – nunca tendo percebido que a vibe que pretendia transmitir não estava nem perto da que as pessoas estavam realmente recebendo.

Isso pode acontecer com qualquer um de nós.

Assim como no programa, uma das melhores coisas a fazer é procurar ajuda externa.

Peça às suas amigas que te deem a percepção honesta do seu perfil online – ou como você se comporta na vida real – e considere o “porquê” por trás do feedback.

Por que você acha que eles têm a impressão que têm?

Por que você acha que essa impressão corresponde ou não ao que você pretendia?

Por que você espera transmitir o tipo de impressão que você está buscando – e isso corresponde a quem você realmente é por dentro?

Quer sejam as palavras que você usa para se descrever online, as fotos que você posta ou a maneira como você se veste, é importante entender toda a imagem do que você está divulgando.

Essa imagem é realmente o que você tem de melhor?

Esteja Ciente Da Sua Linguagem Corporal

Dando uma olhada mais profunda em como você se apresenta sangra no seu encontro na maneira como você se comunica tanto verbal quanto não verbalmente.

Na verdade, suas comunicações não-verbais (linguagem corporal e expressões faciais) são talvez a coisa mais barulhenta que você comunica.

Eu sei que às vezes pode parecer fora do seu controle – como você pode estar ciente da sua linguagem corporal e ainda agir com naturalidade?

Basta captar a linguagem corporal negativa conhecida e ajustá-la um pouco.

Por exemplo:

Se você está interessada no que seu ficante tem a dizer, não cruze os braços.

Incline a cabeça na direção dele.

Incline-se.

Esses são indicadores não-verbais que mostram ao seu ficante que você gosta do que ele tem a dizer e quer ouvir mais.

Se você quer saber se seu ficante está interessado no que você está falando, procure comportamentos semelhantes.

Se os braços dele estiverem cruzados ou os pés dele estiverem voltados para longe de você, você pode querer mudar de assunto.

Dizer a ele que você está interessada não é suficiente – você tem que ter certeza de que seu corpo também está dizendo isso, para que ele internalize a mensagem.

Se você sabe que você quer enviar uma vibe positiva, deixe seu corpo falar por você.

Aqui estão três dicas de atração na linguagem corporal que funcionam independentemente do gênero.

Espelhamento

Espelhamento é quando você copia sutilmente os comportamentos da pessoa com quem você está.

Então, se ele mudar de posição ou sorrir, você vai espelhar esses comportamentos.

Um estudo realizado pelo Behavioral Science Institute, na Holanda, descobriu que quanto mais atraídas nós somos pelas pessoas, mais imitamos o comportamento delas.

Se você tem dificuldade em expressar seus sentimentos, espelhar o comportamento de seu ficante é uma excelente maneira de mostrar subconscientemente a ele que você está interessada.

Frente

É quando você enfrenta todo o seu corpo, da cabeça aos pés, em direção ao seu ficante.

Uma pesquisa descobriu que subconscientemente apontamos os dedos dos pés na direção que queremos ir.

Então, se o seu ficante continuar engajado e apontado para você, é um grande sinal.

Só que se os dedos dos pés estiverem apontados para a saída, eles podem não estar se divertindo tanto quanto parecem.

Inclinando-se

Esteja você encostada em um bar ou sentada em uma mesa, quando seu ficante se inclina na sua direção, é um sinal claro de que ele está atraído e quer estar mais perto de você.

O oposto também é verdade. Quando ele se senta bem atrás na cadeira ou se afasta de você, isso mostra seu desconforto com o ambiente ou com a conversa.

Dica bônus: um estudo divertido conduzido pela Purdue University descobriu que os sabores doces fazem com que nós nos sintamos mais atraídas.

Então, se você quer acabar com seu ficante em alta de atração, presenteie-os com sobremesa.

Veja também: O Que Conversar No Primeiro Encontro E 8 Iniciadores De Conversa

Esteja Interessada Em Ser Interessante

Depois que você estiver preparada para enviar a mensagem certa, você vai querer ter certeza de que você está mostrando ao seu ficante o que você tem de mais interessante.

Como?

A chave para ser interessante é estar interessada.

Todo mundo – e quero dizer todo mundo – gosta de falar sobre si mesmo.

Ao fazer perguntas ao seu ficante sobre ele (e continuar o diálogo com seus próprios pensamentos quando houver uma abertura), você está mostrando que você está interessada nele.

Isso, por sua vez, torna você mais interessante.

Ser indiferente pode parecer bom em uma revista, mas não é divertido para ninguém na vida real.

Não é importante apenas se interessar pelo seu ficante, você também deve demonstrar interesse pelos assuntos que surgirem.

A curiosidade é emocionante!

Alguém curioso mostra sua inteligência inata e entusiasmo pela vida.

Então, se seu ficante trouxer à tona algo que você não sabe nada, ao invés de pensar que você não tem nada em comum, peça mais informações.

Seu ficante vai ter prazer em divulgar um assunto que goste (e o ideal é que você retribua o favor), e vai ver que você é uma pessoa curiosa.

Esta é uma característica mais atraente do que nós geralmente imaginamos.

Falamos sobre a psicologia da atração e descobrimos que uma das melhores coisas que podemos fazer para contornar o período de atenção naturalmente curto do cérebro é sermos intrigantes, interessantes e envolventes.

Isso vai prender a atenção do nosso ficante e provavelmente ficaremos mais atraídos pelo nosso ficante se ele mostrarem as mesmas características.

Você tem dificuldades com o que significa “estar interessada”?

É mais simples do que parece: basta fazer perguntas!

Sempre que a conversa parar ou você sentir que uma resposta de uma palavra está chegando, faça mais perguntas para manter a conversa rolando.

E se você está realmente presa, tente algumas dessas excelentes perguntas de primeiro encontro.

Saiba Que Uma Combinação Perfeita Não Exige Compatibilidade Perfeita

Esta é minha dica favorita sobre namoro – principalmente porque é a razão pela qual eu estou com meu marido: entenda que um par perfeito não exige compatibilidade perfeita.

Quando conheci meu marido, eu o achava fofo, inteligente e muito divertido de conversar.

Só que quase o desconsiderei por causa da profissão dele.

Vamos parar um momento para reconhecer o quão bobo e míope isso é.

Então tá.

Então, aqui está o acordo.

Naquele ponto da minha vida, eu queria ser mais criativa do que achava que era.

E como ainda não sabia esse meu lado (que agora basicamente define todo o meu ser), procurei-o nos relacionamentos.

Se eu namorei caras criativos, isso deve significar que eu sou criativa, não é mesmo?

Eca.

Então, quando conheci meu marido e soube que ele era programador de computador, fiz um monte de suposições precipitadas sobre ele: deve ser analítico, deve ser tímido, não deve ser criativo.

Uau!

Até escrever isso me faz me contorcer.

Que pessoa crítica eu era – e tudo porque ainda não tinha me realizado totalmente.

Só que continuei conversando com ele, e quanto mais eu o conhecia, mais percebia o quão criativo ele era.

Não descobri isso no primeiro, segundo ou terceiro encontro.

Descobri isso depois de quase um mês de namoro.

O que me manteve até então?

Além da atração e da conversa sempre interessante (conversávamos seriamente por horas toda vez que nos víamos), ficou bem claro que éramos compatíveis nas coisas que constituem a essência um do outro como pessoas.

Nós não éramos compatíveis em carreiras ou hobbies (além de nosso amor mútuo por cafeterias), mas éramos compatíveis em nossos valores: trabalho duro, ambição e falta de desejo de correr atrás de dinheiro apenas por uma questão de sucesso externo.

Isso foi o suficiente para saber que tinha algo real acontecendo.

E com o passar dos meses e as camadas foram sendo retiradas, aprendi que ele é uma das pessoas mais criativas que já conheci.

Nesse ponto, ele também me ajudou a descobrir minha própria criatividade.

Então, basicamente, ele ser criativo foi a cereja do bolo.

Mais importante foi o fato de que ele me ajudou a encontrar isso em mim mesma!

Às vezes o nosso “match” perfeito não tem nada a ver com o que podemos listar num pedaço de papel.

Muitas vezes, tem mais a ver com os valores pelos quais vivemos (a essência de quem nós somos) do que com as coisas que fazemos para viver.

E se você pode encontrar alguém que se alinhe com você e esteja curioso, então você realmente tem algo.

Meu marido ainda nunca vai listar meus hobbies favoritos como sendo dele e vice-versa, mas como somos pessoas naturalmente curiosas e interessadas no que motiva o outro, ainda podemos compartilhar esses hobbies e praticá-los regularmente.

É uma vitória/vitória.

Quer ainda mais boas notícias sobre compatibilidade?

Estudos mostram que ser menos compatível também pode permitir que um casal enfrente mais facilmente algumas das dificuldades da vida.

Tem alguns estudos de casais que estão casados há décadas ou mais.

Esses estudos descobriram um benefício interessante das diferenças de personalidade:

”Personalidades diferentes podem fornecer aos casais recursos complementares para lidar com os desafios da vida”. Robert Levenson, Universidade da Califórnia

Estou casada tem pouco mais de dois anos, mas já posso atestar a verdade por trás dessa observação.

Como meu marido e eu tendemos a pensar nas coisas de maneiras diferentes, podemos ajudar um ao outro com mais eficiência.

Em vez de termos as mesmas opiniões e sofrermos de preconceito de confirmação, desafiamos uns aos outros e ajudamos em situações em que o outro está preso.

Isso fez com que nós passássemos por várias mudanças entre países, algumas mudanças de emprego e empreendimentos.

E mais do que tudo, eu me sinto muito mais feliz sabendo que meu parceiro de vida sempre vai me incentivar a ser a melhor que posso ser.

Tudo bem, este não seria um artigo sobre namoro se não falássemos pelo menos um pouco sobre desejo.

E como todos nós queremos ser desejáveis para as pessoas por quem nos sentimos atraídos, é muito importante entender o que alimenta o desejo.

O que alimenta o desejo, verdadeiramente, está em você.

Não, não se trata apenas do seu visual.

Também não se trata da sua roupa, do seu sucesso ou de qualquer outra coisa que constitua os aspectos superficiais da sua vida.

O desejo vem de você.

Se você quer ser desejada, você deve sentir desejo.

Se você quer sentir desejo, você tem que se sentir segura de si mesma.

A terapeuta de relacionamento Esther Perel discute isso em detalhes em uma palestra no TED sobre desejo e relacionamentos de longo prazo.

Só que as lições permanecem as mesmas para todos nós.

Nós estamos abertas ao desejo quando nos sentimos confiantes, radiantes e livres.

Estas qualidades permitem que nós nos sintamos mais seguras em nós mesmas e, assim, abramos a porta para o desejo entrar.

Pode ser um conselho moderadamente frustrante, porque, de novo, exige mais autocompaixão e talvez algum trabalho em nós mesmas – coisas que não são tão fáceis quanto vestir uma roupa excelente ou arrumar o cabelo (embora isso com certeza possa ajudar!).

Só que isso não significa que você tenha que se esconder até que você esteja totalmente confiante em quem você é.

Existe uma maneira de chegar lá mais rápido:

Descubra o seu elemento.

Nós temos uma coisa que, quando fazemos isso, nos sentimos totalmente em nosso elemento.

Para mim, é dançar.

Eu danço desde que tinha cinco anos de idade e ainda nada (nem mesmo meu segundo amor: escrever) me faz me sentir mais confiante e viva.

Mesmo quando eu não me sinto bem com minha aparência física ou quando eu estou tendo um dia péssimo, sair para a pista de dança pode lavar todos os sentimentos negativos.

O que faz você se sentir no seu elemento?

Se for algo em que duas pessoas possam participar (como dançar), então é uma excelente sugestão para um encontro.

Você vai sair do portão mostrando ao seu ficante quem você é mais realizada.

Se não for algo para dois (ou se for algo que seu ficante não gostaria de fazer – como meu marido dança), então organize isso antes de ir para seu encontro.

Depois disso, você pode aproveitar o máximo de estar no seu elemento e trazer todos os tipos de vibrações positivas para seu ficante.

Você vai se sentir melhor consigo mesma e seu ficante vai sentir aquela confiança irradiando de você – preparando-se para a melhor experiência possível.

Veja também: 21 Coisas Que As Mulheres Mais Atraentes Fazem No Primeiro Encontro (De Acordo Com Os Homens)

Confie Em Usar Isso Como Base Para Mais Progresso Em Um Primeiro Encontro: Pedido De Comida

Pedir e comer os mesmos alimentos que seu companheiro de jantar não apenas ajuda você a se relacionar com seus gostos semelhantes, mas também cria inconscientemente rapport e confiança entre vocês dois.

Um novo e divertido estudo investigou a ciência da comida e da amizade: comer os mesmos alimentos que seu namorado promove confiança e proximidade entre as pessoas.

A professora Ayelet Fishbach descobriu que em seu experimento, os participantes que comeram os mesmos alimentos juntos chegaram a acordos duas vezes mais rápido e foram mais generosos com o dinheiro deles quando se tratava de usá-lo com outra pessoa, em comparação com aqueles que comeram alimentos diferentes.

As pessoas que comiam alimentos semelhantes ou diferentes posteriormente desempenharam o papel de gestores de fundos ou negociadores trabalhistas no estudo.

Os resultados revelaram que os “gestores de fundos” que comiam os mesmos alimentos juntos na realidade investiam mais numa empresa e conseguiam chegar a acordos sobre disputas laborais em metade do tempo.

Os pesquisadores estavam ansiosos para descobrir: poderiam outros fatores ter o mesmo impacto na construção de confiança que comer juntos?

Eles fizeram experiências com participantes vestindo camisetas semelhantes, mas descobriram que isso não foi tão eficaz para construir confiança e manter uma conexão.

Mostrar linguagem corporal semelhante também pode influenciar a confiança entre as pessoas, mas, de novo, nada parece se comparar ao poder da comida.

Por que a comida é tão poderosa?

Como disse o professor Fishbach:

“…A comida é poderosa porque é algo que colocamos em nossos corpos e precisamos confiar nela para fazer isso”. Professor Fishbach

Comer já é muito íntimo: confiamos na comida que colocamos em nossos corpos para nos nutrir e nos manter saudáveis.

Além disso, confiamos naqueles que comem os mesmos alimentos que nós como outro componente da construção de confiança.

Comer os mesmos alimentos que o nosso parceiro não só cria confiança e mantém um vínculo estreito com ele, como também teoriza que a partilha de alimentos tem um impacto significativo na cooperação, na resolução de conflitos e na ligação entre as pessoas.

Do ponto de vista empresarial, os alimentos podem ser usados estrategicamente para ajudar os colegas de trabalho a trabalharem juntos e a construir confiança.

No seu próximo encontro, preste bastante atenção no que você e seu ficante pedem.

Você se encolhe com o gosto do seu companheiro ou se vê querendo as mesmas comidas?

Este pequeno detalhe pode falar muita coisa boa sobre o futuro desta relação.

Nós acabamos de compartilhar 11 dicas para um excelente primeiro encontro.

Só que não se esqueça dessas 17 Regras De Etiqueta Do Primeiro Encontro Que Toda Mulher Deve Seguir (Nenhuma Delas Envolve Ser Adequada)

Sobre o Autor: Manuela Souza é escritora em tempo integral e aborda temas como namoro, paquera, romance e namoro online. Ela mora em Porto Alegre, é apaixonada pelo meio ambiente e sabe que tudo é possível com o par certo de sapatos.

0 Comentários… , adicionar um.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *