5 Maneiras De Superar Sentimentos De Carência

O Maior Desafio Que As Pessoas Carentes Enfrentam É Descobrir O Que Precisam.

“Somos tão carentes quanto nossas necessidades não atendidas”. – John Bowlby, fundador da Attachment Theory

Você já se sentiu carente?

O que vem à mente quando você ouve essa palavra?

Muitos de nós consideram um dos piores invectivos possíveis atacar outro ser humano, conjurando imagens gritantes de pânico lamentável e desespero.

Imaginamos pedidos chorosos (“me dê outra chance!”), Acusações raivosas (“você nunca realmente se importou!”) E ligações e mensagens de texto noturnas exigindo uma resposta imediata (“onde você está?”).

Quando somos dominados pelo terror da carência, nos sentimos completamente fora de controle.

Quando prestamos testemunho, nos sentimos confusos e sobrecarregados, imaginando se alguma quantidade de segurança será suficiente.

Como podemos entender esses momentos?

Mais importante, como os necessitados podem encontrar alívio?

Por mais mal definidos que pareça a experiência da carência, os psicólogos fizeram grandes progressos ao descompactar esse complexo estado mental.

Uma linha de pesquisa, que surgiu de uma tentativa de entender melhor a depressão, lança muita luz sobre o que torna as necessidades tão incrivelmente dolorosas.

Definindo carência, de maneira deselegante, como “uma dependência generalizada e indiferenciada dos outros e sentimentos de desamparo e medos de deserção e abandono”, os investigadores descobriram que ela tem um importante relacionamento com a depressão.

Os carentes geralmente se sentem desesperados e infelizes.

Mas essa é a descoberta menos surpreendente nesses estudos.

Você notará que a natureza difusa e incipiente da carência está inserida em sua definição.

Isso acaba sendo extremamente importante, porque há um fator relacionado, a conexão – “uma avaliação dos relacionamentos e a sensibilidade aos efeitos de nossas ações sobre os outros” – que tem relativamente pouco a ver com a depressão.

Veja também: Pare De Correr Atrás Dele! E Todos Os Motivos Para Nunca Correr Atrás De Um Rapaz

Ambos os itens fazem parte da mesma escala, dependência; mas a carência, ao que parece, é a versão doentia de nosso desejo de contato, marcada mais por desamparo, medo e passividade do que qualquer pedido emocional claro.

Os conectados estão abertos sobre o que desejam dos relacionamentos.

O mesmo não pode ser dito para os carentes.

Certamente, os carentes querem alguma coisa insaciável, de fato -, mas, com falta de atenção instantânea e garantia constante, não é muito claro para eles ou para ninguém ao seu redor o que exatamente eles estão procurando.

Esta é talvez a coisa mais irritante sobre a carência.

Ela nos atormenta, nos levando a correr atrás contatos, conselhos, sinais de amor, mas nenhuma dessas ações parece reprimir sua fúria.

E agora sabemos o porquê.

Quando os pesquisadores colocam a carência sob o microscópio, encontram um medo avassalador, não necessário, em seu núcleo inadequado.

A carência é a sombra sem forma da dependência saudável.

Pesquisadores do apego, que também examinam comportamentos carentes, chegaram a uma conclusão semelhante.

No coração da teoria do apego está a suposição de que todos nós, todos nós, temos um impulso básico e primordial para nos conectar.

Está ligado a nós, após milhões de anos de evolução, porque por nós mesmos, nós humanos somos criaturas fracas e relativamente indefesas.

É por isso que o isolamento emocional se registra em uma das áreas mais primitivas do cérebro – a amígdala – como uma situação de vida ou morte (os cientistas chamam isso de “pânico primordial”).

Os ansiosamente apegados não acreditam na proximidade emocional porque são frequentemente abandonados ou negligenciados quando crianças, e agora, como adultos, tentam freneticamente silenciar o “pânico primordial” em seu cérebro, fazendo o que for necessário para manter a conexão.

Em suma, eles se tornam carentes.

(Os esquivamente apegados evitam completamente suas necessidades e sentimentos de dependência, para escapar da dor de ter seus anseios ignorados ou rejeitados). 

Não é a necessidade, então, que gera carência.

É o medo de nossas próprias necessidades de conexão e a possibilidade de que elas nunca serão atendidas.

É isso que nos leva ao desespero abjeto da carência.

A única maneira de se livrar de uma necessidade é satisfazê-la, e quanto mais ansiosos estamos em tê-la, mais rapidamente queremos que ela seja satisfeita.

Veja também: 10 Motivos Para Nunca Correr Atrás De Um Homem

Superar a carência, portanto, exige que nós separemos a necessidade do medo, e existem várias maneiras de fazer isso:

  1. Respire.

Se você reconhecer que o medo é o problema, não a solidão ou o desejo de contato, poderá escapar do alcance sufocante da necessidade, usando as habilidades de gerenciamento do estresse.

Faça uma corrida, medite, faça respiração diafragmática – tudo isso reduzirá sua ansiedade e seu impulso de agir por necessidade.

  • Conecte-se.

Os pesquisadores descobriram uma versão saudável da dependência, que envolve a valorização dos relacionamentos.

Não é apenas mais ativo, é mais direto.

Faça pedidos claros.

Necessidade é alcançar cegamente quando você nem sabe o que está buscando.

A conexão depende efetivamente dos outros.

  • Pratique a atenção emocional.

Em vez de agir de acordo com o que você acha que precisa, sente-se e escreva sobre os sentimentos que está tendo.

Você tem medo de ficar sozinho?

Como é simplesmente focar nisso sem tentar fugir buscando contato?

Em vez de tentar se livrar do sentimento, tente entendê-lo.

Veja também: Desprenda-se Dele: Como Se Livrar Emocionalmente De Alguém

Isso não apenas facilita o reconhecimento e a expressão de suas necessidades com mais clareza, como ensina como tolerá-las.

  • Faça um balanço de seus relacionamentos.

Pessoas carentes costumam atrair encontros ou amigos que reforçam sua carência – pessoas que desejam conexão, como todo mundo, mas parecem odiar expressar o desejo (geralmente evitam).

Se o seu medo é que o telefone pare de tocar se você não ligar, pergunte a si mesmo: sou eu quem sempre busca contato ou segurança?

Eu estou bem com isso?

  • Abra espaço para suas necessidades.

Quando odiamos ou tememos nossas necessidades, isso as torna mais intensas porque somos tentados a escondê-las ou disfarçá-las.

Isso não apenas os torna confusos para os outros, mas também mais difíceis de satisfazer.

O modo como você expressa suas necessidades – seja por proximidade, segurança, contato ou amor – mudará drasticamente quando você começar a levá-las a sério, porque terá uma compreensão muito melhor do que são e de onde vêm.

Quando tudo estiver dito e feito, a chave para superar a carência é respeitar suas necessidades de conexão, em vez de temê-las.

Quando você faz isso, o caos da carência cede lugar à clareza da intimidade.

E todo mundo fica mais feliz por isso.

Sobre o Autor: Cristiane Lima é especialista em namoro e relacionamentos, trabalha com mulheres para orientá-las a encontrar o homem certo e o relacionamento com o qual sempre sonharam.

0 comments… add one

Leave a Comment